O crash de 1971 foi uma crise financeira que afetou o Brasil no início dos anos 70, levando à desvalorização significativa da moeda e à inflação galopante. As causas da crise eram diversas e incluíam uma série de fatores internos e externos.

Uma das principais causas do crash de 1971 foi o aumento do déficit do balanço de pagamentos brasileiro. O país havia se endividado consideravelmente para financiar seu rápido crescimento econômico na década de 60, e o aumento dos preços do petróleo em 1970 agravou ainda mais a situação. Como resultado, o país começou a experimentar um déficit crescente na conta corrente e uma escassez de divisas estrangeiras.

Outro fator importante que contribuiu para o crash de 1971 foi a política monetária expansionista adotada pelo governo brasileiro na década de 60. O objetivo era impulsionar o crescimento econômico, mas isso levou a um aumento significativo na oferta de moeda, o que acabou incentivando a especulação financeira e alimentando a inflação.

Em 1971, a crise se intensificou à medida que os investidores começaram a perceber que o país estava enfrentando dificuldades financeiras. Isso levou a uma fuga massiva de capitais, uma desvalorização significativa da moeda e a inflação explodiu. O país entrou em uma espiral econômica descendente e as taxas de desemprego aumentaram drasticamente.

Para lidar com a crise, o governo brasileiro adotou uma série de políticas governamentais drásticas. Uma das primeiras medidas foi a suspensão da conversibilidade do cruzeiro em relação ao dólar. Isso significava que a moeda brasileira não tinha mais um valor fixo em relação ao dólar, o que tornava a especulação financeira ainda mais difícil.

O governo também introduziu medidas de controle de preços, congelando os preços dos produtos básicos durante um período de dois anos. No entanto, isso acabou gerando escassez de produtos em todo o país.

Outra medida governamental adotada para lidar com a crise foi a nacionalização dos bancos comerciais. O objetivo era aumentar o controle do governo sobre o setor financeiro e evitar a fuga de capitais para o exterior.

Todas essas políticas tiveram um impacto significativo na economia e na sociedade brasileira. Embora algumas tenham sido eficazes a curto prazo, muitas tiveram efeito negativo a longo prazo, contribuindo para a estagnação da economia brasileira na década de 70.

Em resumo, o crash de 1971 foi uma crise financeira sem precedentes que afetou significativamente o Brasil. As causas da crise foram diversas e incluíram problemas internos e externos. Embora o governo brasileiro tenha adotado várias políticas governamentais para resolver a crise, muitas dessas medidas tiveram consequências negativas a longo prazo, contribuindo para a estagnação econômica brasileira nas décadas seguintes.